JOSÉ FORTUNA

O "Advogado" da música caipira

 

mp3 - Flor do Baile (Zé Fortuna e Pitangueira)

mp3 - Lembrança (Zé Fortuna e Pitangueira)

para salvar no seu computador clique com o botão direito sobre o nome, e depois em "salvar destino como"....

 

 

23 anos sem o “advogado” da música caipira

 José Fortuna, o grande poeta caipira, deixou mais de 800 composições inéditas.

        “Velha avenida, onde deixei rastro de infância que virou saudades, e hoje existe em cada esquina meu nome escrito para eternidade”.

        Foi com a belíssima música “Avenida Boiadeira”, que José Fortuna finaliza uma carreira de exatos 40 anos, constando em seu gabarito cerca de 2500 composições, (sendo que 800 delas ainda não foram gravadas), exatos 42 dramas teatrais, estes representados pela também sua Companhia de Teatro “Os Maracanãs”, recorde de público nacional entre os anos de 1960 a 1972.

        Tudo se inicia na pequena cidade de Itápolis, interior de São Paulo. De lá, em 1947, partem para a gigantesca São Paulo dois irmãos com o mesmo sonho: o de tornarem um dia, grandes e reconhecidos artistas. Estes dois jovens levavam o nome de Zé Fortuna e Euclides (que mais a frente receberá o seu apelido eterno de Pitangueira).

         No começo como sempre, nada foi fácil e os irmãos Fortuna tiveram que encontrar um emprego para que lá tentassem sobreviver.

        Depois veio outro obstáculo: a falta de horário em rádios para que pudessem se exibir. Quando estavam quase desistindo da tão sonhada carreira artística, José e Euclides Fortuna conseguem um modesto espaço na Rádio Piratininga. Daí em diante só lhes restaria à fama: Rádio Nacional, Rádio Record e a tão respeitada Tupi, foram conquistadas, sempre na companhia do grande e eterno acordeonista Zé do Fole, que também era ator da Companhia.

        O que muita gente não sabe ainda, e talvez por culpa da mídia brasileira que não estabelece uma valorização tanto do intérprete quanto do compositor da música, é que dezenas de canções que já se tornaram verdadeiros hinos são de autoria do grande José Fortuna.

        Dentre elas e para espanto de muitos vale destacar: “Índia” (regravada atualmente por Roberto Carlos); “Meu Primeiro Amor” (Caetano Veloso, Joana e Fagner e recentemente Bruno e Marrone); “Riozinho” (interpretada primorosamente pelas Irmãs Galvão), “Terra Tombada” ( Chitãozinho e Xororó); “24 Horas de Amor”( na voz de Mato Grosso e Matias), entre muitas outras, além das  que se imortalizaram na voz do trio como “Paineira Velha” e “Lembranças”.

        José Fortuna nos deixou no ano de 1983, vítima de uma doença que o seguiu desde sua infância: o mal de Chagas.

        Hoje quem cuida de suas mais de 2400 composições é Iara Fortuna, sua filha, casada com o cantor Paraíso, residentes estes na cidade de São Paulo onde dirigem uma editora musical.

        Após o lançamento de dois CDS que prestam uma homenagem por parte de alguns cantores ao “advogado” da música caipira como era conhecido José Fortuna, Iara já adiantou que provavelmente até o final desse ano, seja publicado o segundo e tão esperado livro de poesias da autoria de seu pai.

 


Texto enviado em 21/07/2006 por Antonio Marquez Júnior, 21 anos, jornalista, pós-graduando em História, Cultura e Sociedade e autor do livro “A História de Zé Fortuna e Pitangueira.

 

 Sobre o livro, pelo própio autor:

 

"O livro a História de Zé Fortuna e Pitangueira, me rendeu um ano e meio de pesquisas intensas, sendo estas feitas na sua cidade natal Itápolis e também na oportunidade que tive de entrevistar o Pitangueira, Iara e Paraíso na cidade de São Paulo.

O livro está dividido em 11 capítulos e o mais interessante é que não segui uma ordem cronológica perfeita, entretanto os dois últimos capítulos põem fim a história.

A pesquisa e a edição e impressão do mesmo me custaram cerca de 4.ooo reais, dinheiro este que veio de uma conta, herança de meu pai.

A satisfação ao final do trabalho que pude deleitar-me foi inesquecível e o dinheiro gasto foi com certeza bem empregado.

O lançamento do livro ocorreu último dia 1 de abril na cidade de Itápolis, sendo apoiado pela Prefeitura e pelo amigo e também diretor de cultura Belmiro Baio.

Na ocasião, mais de 300 pessoas compareceram ao local, dentre eles muitos que tinham um parentesco com José.

Agora, depois de três meses preparo e faço algumas alterações para pôr em andamento."

 

© Luciano Queiroz - Todos os Direitos Reservados

Melhor Visualizado na configuração 1024 x 768 píxels